Esse post está só um pouco atrasado. Mas não podíamos deixar de compartilhar dicas simples para quem está de viagem marcada para Praga, a capital República Tcheca. Ou simplesmente “a cidade dourada” como é conhecida aqui no velho continente graças às muitas torres de arenito que existem pela cidade e, que dependendo da luz do sol, brilham douradas deixando a cidade ainda mais encantadora!

Praga não é só a capital da República Tcheca, mas também a cidade mais populosa do país e um dos destinos de férias preferidos por turistas da Europa (principalmente dos alemães. Vi mais alemães lá que na Alemanha, rs. Ok, exagerei um pouco). Não é à toa! Praga é simplesmente linda! Com suas muitas igrejas em estilo barroco, os prédios coloridos, as muitas pontes (180 no todo), sendo a mais conhecida a Ponte do Carlos, de onde é possível assistir ao pôr-do-sol inesquecível de Praga.

As dicas que iremos compartilhar aqui são só algumas dicas no meio de muiiiitas possibilidades de curtir Praga. Lembrando que tivemos também a alegria de visitar a cidade durante a Páscoa e, assim, conhecer as feirinhas de Páscoa que acontecem na cidade.

 

Como ir para Praga?

Existem várias possibilidades saindo de Munique: trem, avião e ônibus. Escolhemos o meio mais em conta no dia que fechamos a viagem, que foi o ônibus pela empresa Flixbus. A rodoviária de Munique, ou ZOB como é chamada em alemão, fica na parte central da cidade, mais especificamente na estação Hackerbrücke, onde também passam os trens da cidade. Super fácil o acesso!

Uma dica para quem vai viajar pela Flixbus é reservar o assento. Isso evita a correria para achar um lugar ou mesmo evita que você e sua companhia na viagem fiquem separados durante o trajeto. Para isso, você precisará pagar um pouquinho a mais, mas vale super a pena! Pagamos na época cerca de 5€ por assento em cada viagem. Ou seja, 10€ na ida e 10€ na volta.

 

Onde ficamos em Praga?

Escolhemos um hotel próximo à região central da cidade, mais especificamente em frente à estação de metrô Anděl, de onde levávamos cerca de 12 minutos até a Wenceslas Square, o famoso boulevard de Praga cheio de barzinhos, lojas e prédios coloridos, que culmina no Museu Nacional de Praga (Národní Muzeum).

O hotel Akcent era bem avaliado, staff simpático, quarto confortável,  limpo e bom serviço de café da manhã. Tivemos um pequeno problema com a ducha que funcionava só no quente e estávamos quase cozinhando. Mas o problema foi solucionado. Uma dica para quem ficar nesse hotel: é necessário fazer um caução na entrada no hotel. Ao fazê-lo, peça o recibo fiscal. Fizemos e não recebemos o recibo. Na hora de retirar o  caução, foi um pouco chato. O que poderia ser evitado com o recibo fiscal. Vivendo e aprendendo!

 

O que fazer em Praga?

1. Provar o tradicional Trdelník (estou até hoje tentando pronunciar isso 😂):

Por qualquer lugar que você passar em Praga, terá alguém vendendo e alguém comendo o famoso Trdelník.
Uma típica comida de rua de, ou seria melhor “sobremesa de rua” de Praga?! .
Uma massa leve que é enrolada em um espeto, assada em brasas até ter um ligeiro sabor de queimadinho.
Pode ser recheada de sorvete e muitas outras guloseimas, porém o jeito mais tradicional é apenas a massa coberta com açúcar e canela.

Preço dessa lindeza da foto no Hotel U Prince na Praça do Relógio de Praga: 150 coroas tchecas (cerca de 6 euros). Salgadinho o preço, mas é sobremesa pra dois porque é imenso!

2. Conhecer o Orloj, o famoso Relógio Astronômico de Praga, e a Praça da Cidade Velha:

               

Na Praça da Cidade Velha, no coração de Praga, estão alguns edifícios famosos da cidade, como a Catedral, a Igreja de São Nicolau e a Prefeitura Antiga.
Na torre da Prefeitura está o famosíssimo relógio astronômico de Praga. Construído em 1410 pelo relojoeiro Mikulas de Kadan e Jan Sindel professor de matemática e astronomia da Universidade de Charles, foi o terceiro relógio nesse modelo a ser feito no mundo.
Ele é composto por um mostrador mecânico que indica a hora e o estado atual do universo; o Sol que marca a posição eclíptica da terra; a Lua marcando as fases lunares; uma esfera com medalhões, que representam os signos do Zodíaco e a posição das estrelas; e, por fim, um mecanismo que mostra aos espectadores, a cada hora (9h às 21h) a procissão dos Doze Apóstolos.

3. Visitar o Castelo de Praga:

                 

O Castelo de Praga é na realidade um bairro com várias atrações, dentre elas: a Igreja de São Vito, a Basílica de São Jorge, o Palácio, entre outros.
O ticket para visitar todas as atrações custa 350 coroas tchecas por pessoa.
Caso você não queira visitar as atrações por dentro, você pode apenas caminhar pelo bairro de graça e ver as atrações por fora. Sem falar na vista da cidade que se tem lá de cima. Sim! Precisa subir alguns bons degraus. Mas vale a pena! É fenomenal! 😉

Dica: Ao meio dia acontece a troca da guarda do Palácio do Castelo de Praga numa cerimonia digna da Rainha e de hora em hora acontece a troca de turno dos guardas dos portões.

4. Fazer os seus pedidos na Ponte do Carlos:

                     

Este é com certeza um dos principais pontos turísticos da cidade.
O que talvez algumas pessoas não saibam é que existem algumas lendas sobre a ponte, incluindo uma para quem deseja ter seus sonhos realizados.
Ao longo da ponte é possível ver a imagem de diferentes santos, mas um deles se destaca em meio a todos: São João Nepomuceno.
São João Nepomuceno foi um bispo da Igreja Católica em 1393 que, segundo a lenda, teria ouvido as confissões da Rainha Sofia e se negado a conta-las para o rei Venceslau IV (o marido da rainha). O rei então ordenou que o santo fosse jogado da ponte.
No lugar onde o santo foi jogado, está a imagem dele deitado sobre o rio. Sobre sua cabeça estão cinco estrelas, onde devem ser apoiados os 5 dedos da mão para fazer um pedido. Reza a lenda que em um ano esse pedido será realizado.
Ainda na mesma ponte, há a imagem do santo sendo jogado da ponte. Segundo a lenda, ao tocar no santo caindo, a pessoa garante o retorno à Praga.

5. Visitar o Bairro Judeu- Josefov:

                     

O bairro faz parte da Cidade Velha de Praga, mas inicialmente foi o refúgio de judeus que haviam chegado na cidade no século X e que foram expulsos de sua terra natal pelos romanos. Posteriormente graças a um decreto da igreja católica que afirmava que cristãos e judeus deveriam ser separados, o bairro se tornou um gueto.
Como resultado deste decreto, os judeus foram perseguidos e mortos em perseguições religiosas deliberadas (chamadas de progons),  sendo o Progom mais sanguinário em 1389 quando mais de 3 mil judeus foram mortos durante a Páscoa.
O bairro judeu tem o nome de Josefov em homenagem a José II, Sacro Imperador Romano-Germânico, que emancipou os judeus ao publicar o Édito da Tolerância em 1781, que garantia a todos professar a própria fé sem sofrer retaliações.
No bairro encontram-se o Cemitério Judeu de Praga, seis sinagogas e a prefeitura do  bairro judeu.

6. Caminhar pela Wenceslas Square:

                   

Um boulevard onde está o centro econômico, cultural e comercial da Cidade Nova de Praga. Cercado de prédios coloridos, bares, hotéis e lojas, é também onde acontece uma das várias feirinhas de Páscoa da cidade. Se você visitar Praga na Páscoa, não deixe de aproveitar!

7. Visitar o Ossuário de Sedlec:

           

O Ossuário fica cerca de 70 km a leste de Praga, numa região chamada Kutná Hora.
Ele está localizado no porão da Igreja de Todos os Santos, no cemitério Sedlec.
Esse local tornou-se famoso pelo armazenamento de aproximadamente 40.000 esqueletos humanos, dos quais ossos de cerca de 10.000 pessoas foram artisticamente processados para formar decorações e mobiliário para o prédio da igreja.
A maior parte dos ossos são oriundos de pessoas que morreram pela Peste Negra e guerras que aconteceram no século XV.
Segundo conta a lenda, um abade em 1278 viajou para Jerusalém e trouxe do Calvário um punhado de terra, a qual espalhou sobre o cemitério que, com isso, foi considerado um lugar sagrado.
A consequência dessa ação foi que este se tornou na época um dos cemitérios mais cobiçados da Europa Central, onde foram enterradas não somente pessoas da República Tcheca, como da Polônia, Bavária e Holanda.
No início do século XV, uma igreja de estilo gótico de dois andares foi erguida no centro do cemitério. Durante o trabalho de construção, os restos mortais foram exumados e armazenados no porão do edifício da igreja, que desde então tem sido usado como um ossuário.
Acredita-se que um monge meio-cego realizou a organização dos ossos e que, ao fim de seu trabalho, foi milagrosamente curado da cegueira.
É possível chegar ao local com trens que partem da estação central de Praga até a estação Kutná Hora (cerca de 3k de onde está o Ossuário. Uma caminhada leve.)
A passagem por pessoa custa: 104 coroas tchecas.
A entrada apenas no Ossuário custa 90 coroas tchecas/adulto.

Onde comer em Praga?

Aqui preciso ser hashtag SINCERONA com vocês: minha experiência gastronômica em Praga não foi uma das melhores. Talvez tenha sido um pouco de falta de sorte, talvez eu esperasse demais da cidade nesse quesito ou talvez era isso mesmo e tudo bem, porque a fama lá pertence às cervejas tchecas (pivo em tcheco) e não à comida.

Por esse motivo, fica aqui a dica de apenas três restaurantes que valeram a pena num misto de preço, qualidade e atendimento:

1. Mechanický Balet:   

                

Perto da estação de metrô Muzeum, no centro de Praga.
Comida boa, preço ótimo ($$) e bom atendimento.
O cardápio inclui opções de hambúrgueres, pratos tradicionais tchecos, uma opção vegetariana, uma opção de peixe e pratos clássicos (em geral, proteína + salada ou legumes).

2. Lokál:

                     

Posso classificar esse como o restaurante com o melhor atendimento que tive em Praga!
O garçom que nos atendeu, mesmo em meio a correria do salão lotado, tirou todas as nossas dúvidas, sugeriu acompanhamentos e foi extremamente educado!
Preço ótimo ($$), comida deliciosa e atendimento espetacular.
O cardápio é basicamente de pratos tradicionais tchecos.
Você escolhe a proteína e separadamente o acompanhamento que é refil (isso mesmo, pode repetir o acompanhamento!).
No menu existem também algumas opções vegetarianas e lights e seis opções de sobremesa.

3. Prolog Noodle Bar:

Não fica exatamente no centro de Praga, mas fica próximo à estação Anděl, numa ruazinha lotada de bares e restaurantes. O cardápio do Prolog Noodle Bar inclui variados pratos da culinária asiática: japonês,  vietnamita e chinesa. O serviço pode ser a “la carte” ou “all you can eat”. Ficamos com essa última opção nas duas vezes que fomos a esse restaurante e não nos arrependemos. A comida era fresca e bem preparada. O menu de bebidas incluía, além de bebidas alcoólicas e refrigerantes, sucos de fruta e chás da casa.
Em resumo, preço bom ($$), comida boa e ótimo atendimento.

Espero que essas informações te ajudem a organizar a viagem para Praga e a faça inesquecível!

Um abraço,

Os Farofas.

Categories: Viagens

Os farofas

No final do ano de 2016, mais especificamente no mês de outubro, nos mudamos para a cidade de Munique, na Alemanha. Deixamos para trás alguns planos e trouxemos outros na bagagem. Dois Farofas Na Alemanha​ é uma página para falar da nossa experiência vivendo pela primeira vez fora do país, o contato com a nova cultura, as estranhezas, as descobertas, os sentimentos, a comida, as curiosidades e tudo mais que envolve o dia-a-dia de dois expatriados que carregam no peito e na vida a farofada que é o Brasil. Seja muito bem-vindo por aqui! Daiane e Hébert

2 Comments

Ariela Soares · July 28, 2019 at 12:44 pm

Amei, Dai! Vou à Praga pela primeira vez agora em Agosto e já anotei suas dicas. Obrigada, grande beijo
Ariela

    Os farofas · July 30, 2019 at 11:01 am

    Amoreee,
    fico feliz demais que você tenha gostado do post!
    Você vai amar Praga! É uma cidade incrível! De apaixonar! <3
    Beijinhoooos!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *